20 março 2011

Estou de volta...


Os últimos trinta dias tem sido um verdadeiro inferno. Eu que raramente me constipo, apanhei uma gripe em que os medicamentos não me faziam efeito. No fim da gripe, um dente começou a moer-me o juízo. Várias idas ao Hospital São José (urgências), dois dentes retirados sem qualquer "raio X" para verificar o que se passava e ainda com infecção. Um médico que parecia querer despachar o assunto.

Antibiótico e medicamentos para as dores sem fazerem efeito. Muita dor, desespero, raiva. Muitas noite sem dormir. Como consequência da infecção, do inchaço, tive um desvio do septo nasal.

A 10 Março, numa nova ida ao Hospital, mudaram-me a medicação.  Tanto o antibiótico como o medicamento das dores. A médica que me atendeu mandou-me de imediato a uma consulta de urgência de otorrinolaringologia. Foi confirmado o desvio do septo nasal e uma sinusite aguda. Na última semana já consegui dormir. A infecção foi quase debelada, mas com os medicamentos a terminarem o medo aproxima-se. 

No meio de tudo isto tenho uma certeza. Todos os seres humanos deveriam ter direito a não ter dor. A ausência de dor deveria ser objectivo de qualquer serviço de saúde. Assim, a qualidade de vida dos doentes, estaria assegurada.

2 comentários:

pinguim disse...

Bolas, que odisseia.
As tuas melhoras.
Abraço.

Fernando disse...

Obrigado.
Abraço