16 agosto 2010

CUANDO NADIE ME VE, DE ALEJANDRO SANZ



2 comentários:

pinguim disse...

Lindo, Fernando!!!!
Obrigado.

zira disse...

O poema é sublime, a musica de tão cadenciada, tem forte impacto. Muito bom. Está nos tops da segunda língua mais falada actualmente. E... isso diz tudo ao bom gosto.